quinta-feira, 23 de abril de 2009

paixão lúdica

não atinava esse meu destino
pensava: era sina de menino
pipa no céu, pião, bilboquê
eu até brincava com você

mas o amor que nos emaranha
amor – coisa mais estranha
me pôs sonambulando aos sóis da vida
teia de lágrimas, eu só envolvida

com surpresa, sem beleza
era o fim da realeza
não há nada, não há nada

meu corpo como que num cemitério
seu pião, pipa eram algo sério
não há nada, não há nada

0 comentários:

Postar um comentário