domingo, 15 de agosto de 2010

adivinha quem está chegando?

        "Abriria eu a madre, e não geraria: diz o Senhor: geraria eu, e fecharia a madre? diz o teu Deus."
                                                 Isaías, cap66/vers9

bebês preferem azul celeste
cor da aura das mamães grávidas

lãs-bebê, agulhas de tricô
tecendo sapatinhos

tramam os fios
tecem o coração da tecelã

seu coração - manto maravilhoso
aconchegante, iluminado
jardim onde deus brinca

deus dá o filho
conforme o cobertor

2 comentários:

  1. Celeste Febe da Silva17 de setembro de 2010 22:20

    Essa é linda!
    Como tudo que fases, faz bem, encanta também,
    tão meiga e me conforta alem.
    A quanto tempo tem essa?
    Fez a alguém especial?
    Me tocou com meu nome e a forma do ninar.
    Beijos e até!

    ResponderExcluir
  2. Que bacana sua visita celestial, Celeste.
    Uma alegria. Você sabe como é especial pra mim e como curto sua alma de artista.
    Esse poema escrevi pensando que estava intuindo a filharada da Elisa, mas quem está grávida de novo é Alice. Eu quero netos em profusão...rsss
    Legal sua ideia do poema virar uma canção de ninar. Quem sabe algum músico amigo sente o chamado.
    Alô, Pérsio Assunção, Beto Quadros, Leo Mandí, Beto Jaguary, Deo Lopes, Márcio de Oliveira, Joca Freire, Nílton Blau, Jorge Alegre, Marcos Flexa e outros tantos todos bons.
    Volte sempre, amiga.
    Beijos da sua,
    Jura.

    ResponderExcluir