sexta-feira, 10 de junho de 2011

não se mete, bete

não se mete, bete
a coisa é grave
mais do que você imagina
ele compra sorvete só pra mim
ficamos conversando, conversando
o sorvete até derrete

não se mete, bete
quando eu for visitar vocês
vá pra cozinha
faça bolo pra gente
retire do forno
proteja suas mãozinhas
com luvas térmicas
espere esfriar - conte até sete

não se mete, bete
quando ele mostra
livros antigos [atchim! atchim!]
filmes tão longos
me dá foto dele com o cachorro
sem me dizer quem é quem
e você me oferecendo carona
dá um belo sorriso
sorriso de vedete

não me compromete, bete
nossa amizade é pura
ele eu e você nos pertencemos
para a eternidade

é muito lindo
você não se intromete
entre você ele e eu
papo sério
sou mais você, bete

2 comentários:

  1. Querida Jura,
    Saudades!

    F.R.

    ResponderExcluir
  2. Dizem as más línguas que
    esse tal F.R. é o anônimo personagem
    do poema. Ele também entrou no conto
    Soma, o Enigma. Em outros poemas, idem.
    Para sempre.

    ResponderExcluir