quinta-feira, 29 de abril de 2010

sapinho saliente
  cai no balde
  água sanitária

 tento salvá-lo
lágrima cândida
    embalde
    coração contrito
 acolhe finado sapinho
 perdão, era tão bonito
ei, descanse em paz
no leito deste berço-rio
meu amigo -- aqui jaz

sexta-feira, 16 de abril de 2010

vim vi vinícius

eu andava de ônibus
via pela janela
carro ao lado, no semáforo
mão bonita acionando a chave

tende piedade de mim, senhor
casa inundada
eu andava de ônibus
no longo percurso
não sonhava com automóveis, apartamentos

paz no trânsito

galinha do vizinho
bota ogivas
mesmo depois de morta

o vizinho não quer bandeira branca
galinha rende bom caldo -- pensam os cães

provoco -- beligerante!
ele repete e repete a palavra
apontando pontos em guerra
dentro de mim